quarta-feira, 20 de abril de 2011

Você É Misericordioso?


Nestes dias de intolerância e interesse pessoal, quem age com misericórdia é uma bênção reanimadora. Diz-se a respeito do verdadeiro Deus: “Javé é clemente e misericordioso, vagaroso em irar-se e grande em benevolência. Javé é bom para com todos, e suas misericórdias estão sobre todos os seus trabalhos.” (Salmos. 145:8, 9) E Jesus nos admoestou a ‘continuarmos a nos tornar misericordiosos, assim como nosso Pai é misericordioso’. (Luc. 6:36) Que indiciação da geração atual, pois, são as condições intoleráveis resultantes das inúmeras suspeitas, rivalidades e hostilidades entre povos e nações!

Provérbios 28:27 diz: “Quem dá àquele de poucos meios não terá carência, mas aquele que oculta os seus olhos receberá muitas maldições.” Isto evidencia que a misericórdia de Deus não se estenderá aos que ‘ocultam seus olhos’. Deus não é sentimentalista. Seu uso de misericórdia sempre está em harmonia com suas outras qualidades e normas justas, inclusive sua justiça e santidade. (Oséias. 2:19) Quem abusar da misericórdia de Deus, pensando que Deus continuará a ser misericordioso para com ele, não importa o que ele faça, está condenado a sofrer amargo desapontamento. Quem mostra desrespeito deliberado aos modos justos de Deus, por meio de seus atos e seu proceder na vida, ofende a Deus, e o verdadeiro Deus, apropriadamente, ‘cortará em ira as suas misericórdias’. — Sal. 77:9; Rom. 2:4-11.

Tiago, meio-irmão de Jesus, deu uma boa advertência, e, ao mesmo tempo, um reconforto ao escrever: “Pois, quem não praticar misericórdia terá o seu julgamento sem misericórdia. A misericórdia exulta triunfantemente sobre o julgamento.” (Tiago. 2:13) Quão misericordioso é? Acha fácil não lazer caso de ofensas contra sua pessoa, ou acha difícil tirar tais coisas da mente? Está ativamente cônscio das necessidades dos em volta de si, ou precisam estas coisas ser trazidas constantemente à sua atenção, Está inclinado a suspeitar da motivação dos outros, ou consegue reconhecer e aceitar a sinceridade e a falta de malícia? Está inclinado a ser mais solícito dos proeminentes ou especialmente talentosos em algum sentido, ou encontra verdadeiro prazer em qualidades estritamente espirituais? Se fosse pesar-se na balança destas perguntas, seria faltoso em misericórdia? O resultado é vital porque quer estejamos envolvidos individualmente, quer não, o julgamento de Deus será exercido para conosco, individualmente, assim como ele indicou por meio de Tiago, e só aquele que praticar misericórdia receberá misericórdia quando levado a julgamento.

Misericordioso é aquele que não guarda ressentimento, que esta disposto a refrear-se de condenar e punir sempre que as circunstâncias o permitam, que é generoso em dar tanto material como espiritualmente, que é cônscio dos em necessidade e que mostra preocupação com eles de modo ativo, que não mostra parcialidade, nem usa a sua língua em orgulho ou ciúme, que realiza atos de caridade e distribui dádivas de misericórdia com sinceridade e humildade, livre de jactância, e que não se torna tão eficiente nos seus tratos com seus companheiros, ao ponto de estes se tornarem para ele apenas partes duma “máquina de organização”. Dar alguém generosamente de si mesmo, ainda mais do que dar de suas posses, não ficará sem recompensa — certamente não ficará sem recompensa da parte do Senhor. A Palavra de Deus diz: “Aquele que mostra favor ao de condição humilde está emprestando a Javé, e Ele lhe retribuirá o seu tratamento.” E Jesus acrescentou ao provérbio: “Felizes os misericordiosos, porque serão tratados com misericórdia.” — Pro. 19:17; Mat. 5:7.

Nenhum comentário: