terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O ESPIRITISMO: ILUSÕES DOUTRINÁRIAS

Introdução: Deuteronômio 8.9-15

O Brasil é considerado o maior reduto espírita do mundo. E onde ocorre o sincretismo, principalmente, das religiões: africanas, indígenas e católica. Muitos dos católicos brasileiros são freqüentadores de Centros Espíritas. Cada “santo” católico tem a sua entidade espírita correspondente.

Quem ouve ao espiritismo não está ouvindo a Cristo, e quem ouve a Cristo não ouve ao espiritismo.

BREVE HISTÓRICO DO ESPIRITISMO

As sessões espíritas são feitas com estes elementos: médiuns, demônios ou guias e assistentes. A prática de "seções espíritas" era comum entre os antigos cananeus, egípcios, babilônicos, romanos e gregos.

As irmãs Margareth e Katie Fox tiveram contato com o pseudo espírito de Charles Rosna. Após grande divulgação na mídia as irmãs tentaram desfazer as crenças que haviam difundido. Katie em 10/10/1888 durante uma entrevista disse: "tudo sem exceção foi fraude".

Alan Kardek começou seu movimento na França. Seu verdadeiro nome é Hippolyte Léon Denizard Rivail. Tomou o pseudônimo pois acreditava ser a reencarnação de um poeta celta com esse nome. Ele introduziu a idéia de reencarnação no espiritismo.

TESES ESPÍRITAS À LUZ DAS ESCRITURAS SAGRADAS

1. Deus existe, mas está longe demais, e só se manifesta por meio de intermediários, que são os espíritos-guias. Sendo assim Deus é inatingível.

— Refutação Bíblica:

Deus condena à prática da mediunidade que consulta espíritos-guias e mortos – Lv 19.31, Lv 20.6 e Is 8.19 e 20.
Deus nos exorta a não ouvir espíritos enganadores – I Tm 4. 1 e 2, Gl 1.8 e II Co 11.14.
Deus nos busca, quer comungar conosco e nos é acessível através de Jesus Cristo – Is 55. 6 e 7; Is 59. 1 e 2; Jo 1.14, 4.23, 14.6-11, 14.23 e Hb 1.1.

2. Possibilidade de comunicação de mortos com vivos.

E ainda pregam o valor das preces pelos mortos e espíritos sofredores.

— Refutação Bíblica:

Como temos ensinado o espiritismo tenta dar respostas para problemas embaraçosos por meio da magia e invocação de espíritos. E um desses problemas é a morte. Muitas pessoas iludidas tentam se comunicar com o avô, pai, filho e etc.

A consulta aos mortos está proibida nas Escrituras – Dt 18.10-12 e Is 8.18 e 19.

Os mortos não sabem o que acontecem na terra – Ec 9.5 e 6, Sl 88.10-12 e Is 38.18 e 19.

Os mortos não podem ajudar os vivos – Lc 16.19-31

A vida no porvir é conseqüência da nossa decisão na terra.

Se fosse possível que o espírito dum falecido pudesse ajudar os vivos, Deus teria permitido que Lázaro ou o próprio homem rico, ou melhor, o pobre homem rico ajudasse seus parentes.

Tudo quanto o homem precisa a saber para sua salvação está registrado nas Escrituras.
É impossível minorar o sofrimento de um ser humano condenado eternamente.

Os vivos não podem ajudar aos mortos (Hb 9.27, Jo 3.18 e 19 e Es 12.7) Os mortos não podem se arrepender. Aquele que se arrepende abandona o pecado e volta para Deus. Os mortos não podem fazer isto. Como poderá um espírito arrepender-se de praticar o mal, se ele não tem condição de praticá-lo?

3. Reencarnação

É a crença no retorno do espírito à vida terrena, em um corpo humano, ora para purificar as más ações na vida anterior, ora para cumprir uma missão especial. Seria um meio de purgar os pecados e evoluir moralmente e espiritualmente. Sendo o número de reencarnações sem limites definidos.

O espiritismo classifica os espíritos em quatro categorias: imperfeitos, bons, superiores e puros. Podendo o espírito galgar sozinho as “categorias espirituais” através das boas ações e sucessivas reencarnações.

— Refutação Bíblica:

Essa tese tenta anular o valor do sacrifício de Jesus. Se o homem pode reencarnar-se porque Jesus morreria por nossos pecados? A reencarnação é mentira do diabo. Jesus é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – Jo 3.29, Mt 20.28, I Pe 2.21-25, II Pe 2.1 e Cl 2.14.

A Bíblia declara claramente que quando o homem morre só duas coisas acontecem: o corpo volta ao pó e o espírito volta a Deus (Ec 12.7).

A Bíblia declara claramente, também, que ao homem está ordenado morrer uma só vez (Hb 9.27).

A Bíblia declara claramente, também, que a salvação só se alcança mediante a fé, e nunca por méritos ou boas obras: Jo 3.16, At 16.30 e 31 e Ef 2. 8 e 9.

Os espíritas tentam dar um sentido bíblico a doutrina da reencarnação. É bom lembrar que estes não aceitam a inspiração divina da Bíblia mas usam-na apenas para interpretações fora do contexto. Lançam mão do capítulo 3 de João para dizer que Jesus ensinou sobre a reencarnação. Usam a versão do Padre Antonio Pereira de Figueiredo que no versículo 3 traduziu: “...renascer de novo”. Enquanto em nossa versão está escrito: “...nascer de novo”. Ora, o padre tradutor cometeu uma tremenda redundância. E ainda fica claro que Jesus não falou de um novo nascimento carnal, mas sim, da necessidade de um nascimento espiritual.

Vejamos: Jo 3.3-8 e Jo 1.12 e 13.

Kardek no “Evangelho segundo o Espiritismo”, um dos seus livros, afirmou que o “Espiritismo não ensina nada contrário ao ensinamento de Cristo, mas o desenvolve, completa e explica o que foi dito sob forma alegórica”. Partindo desse princípio, o espiritismo julga ser, ele próprio, a “terceira revelação”. Nós temos visto justamente o contrário neste estudo. O espiritismo adultera a Bíblia ao seu bel-prazer e vai contra o que Jesus ensinou. E nesse “espírito adulterador” afirmam que João Batista é a reencarnação de Elias (Ml 4.5 e Mt 17.10-13).

— Refutação Bíblica:

Elias não poderia ter reencarnado porque não morreu mas foi arrebatado (II Rs 2.11).

Se João Batista fosse a reencarnação de Elias, aquele que teria aparecido no monte da transfiguração, deveria ser João Batista e não Elias (Mt 17.1-3). Pois de acordo com a doutrina espírita: a última pessoa reencarnada é que deve aparecer.

A Bíblia fala que João Batista teve um ministério parecido com o de Elias (Lc 1.17). Este versículo será completamente esclarecido se comparado com a história de Elias e Eliseu (II Rs 2.9-15).

Os judeus não criam em reencarnação, e sim na ressurreição dos mortos (Lc 9.7-8 e Mc 6.14-16).

João Batista disse claramente que não era Elias (Jo 1.21).

A tese da reencarnação é a principal doutrina do espiritismo (ao mostrarmos que a reencarnação não existe, todo pensamento espírita perde o sentindo de ser). Baseando-se nesta doutrina, muitas outras teses espíritas são formadas.

Vejamos algumas:

A existência de outros mundos – Os espíritas crêem que existem outros mundos onde habitam os espíritos em vários estágios de evolução espiritual. Conforme o “aperfeiçoamento”, os espíritos são transferidos para mundos diferentes. Usam João 14.2 como base bíblica. Fica claro que a referência de Jesus a muitas moradas é para dar a idéia da amplitude do céu.

A Bíblia ensina que existem dois destinos finais para os que morrem: céu e inferno. Enquanto os espíritas dizem que o inferno é aqui mesmo. (Mt 13.38-43, Jo 3.18, Lc 23.43 e Ap 21.8).

Jesus foi um espírito evoluído – O espiritismo nega a divindade de Jesus alegando que este era um espírito em alto grau de desenvolvimento. A Bíblia não deixa dúvida que Jesus é o filho de Deus que se tornou carne para ser o substituto da raça humana cravando os pecados da mesma na cruz (Mt 1.23, Mt 16.15-17, Jo 1. 1 e 14, Jo 10.30, Jo 14.7-11 e I Pe 2.24).

Conclui-se que a tese da reencarnação é a principal doutrina do espiritismo e que outras doutrinas dependem deste para ter algum sentido. Continuaremos a estudar sobre doutrinas espíritas que partem do princípio que a reencarnação existe.

Os anjos são espíritos evoluídos – No livro O Céu e o Inferno, Kardek afirmou que: “os anjos são almas de homens chegados ao grau de perfeição que a criatura comporta, fruindo em sua plenitude a prometida felicidade.

Por sua vez a Bíblia, a Palavra de Deus, afirma que anjos são anjos e homens são homens. Ou seja, são duas criações distintas de Deus. Vejamos resumidamente o que a Bíblia fala sobre anjos. Os anjos foram criados por Deus (Ex 20.11, Ne 9.6 e Cl 1.16) e já existiam quando o pecado entrou no mundo. Tanto que após a queda de Adão e Eva, foram investidos da missão de guardar o caminho que conduzia à árvore da vida (Gn 3.24). Eles são mensageiros e ministros de Deus (Hb 1.14, Sl 91.11 e Sl 34.7). E é bom dizer que a Bíblia não nos autoriza a orar pedindo anjos e condena terminantemente o culto dirigido aos mesmos (Cl 2.18 e Ap 22.8 e 9).

O diabo e os demônios são vistos como espíritos inferiores – Os espíritas não crêem na existência do diabo e dos demônios, esses são vistos como símbolos de todos os espíritos imperfeitos que não alcançaram o desenvolvimento. Alziro Zadur, renomado espírita brasileiro, afirmou que: “Satanás é nosso irmão, por quem devemos orar, uma vez que poderá entrar novamente no círculo de evolução espiritual e tornar-se um espírito perfeito e puro.”

Por sua vez, a Bíblia mostra que o diabo e os seus demônios foram anjos que se rebelaram contra Deus. E por isto foram expulsos do céu (Is 14.12-17, Ez 28.13-17 e Jd 6). E que estão condenados para todo sempre aguardando a execução da sentença (Jo 16.11, Lc 10.18, Jo 12.31, Cl 2.14 e 15, II Pe 2.4 e Ap 20.10).

4. Fora da caridade não há salvação

O espiritismo prega que a salvação é adquirida pelo esforço humano. Pregam que através da reencarnação e da prática de caridades o homem conseguirá a salvação. Enquanto as escrituras mostram que a salvação é dom gratuito de Deus que é recebida pela fé.

Rm 3.10-12 e 23-28; Ef 2. 8 e 9

SUBDIVISÕES DO ESPIRITISMO

No espiritismo existem várias ramificações mas em sua essência é a mesma. Crêem na possibilidade de comunicação com os mortos, na capacidade do homem de conseguir a salvação por seus méritos e crêem na prática da adivinhação. Ou seja, existem muitos ramos mas esses pertencem a mesma árvore. Para cada gosto há uma roupagem diferente. Vejamos essas ramificações:

Espiritismo comum - Normalmente nessa classificação estão incluídas as práticas dedicadas a adivinhação como: quiromancia (adivinhação pelo exame das linhas das mãos), cartomancia (adivinhação pelas cartas de jogar), grafologia (um ramo desta adivinha através da escrita), hidromancia (adivinhação por meio da água) e astrologia (adivinhação através dos astros).

Baixo espiritismo – É o resultado do sincretismo da religião dos africanos, religião dos índios, religião católica, religião kardecista e práticas do ocultismo. Estão nessa classificação o vodu, candomblé, umbanda, quimbanda e macumba.

Espiritismo científico - É também chamado de “alto espiritismo”, “espiritismo ortodoxo” ou “espiritualismo”. É a prática espírita elitizada e racionalista. Normalmente não se apresenta como uma religião. E muitas vezes se manifestam como uma “sociedade”, como por exemplo a LBV (Legião da Boa Vontade) fundada pelo já falecido Alziro Zarur, hoje dirigida por Paiva Neto. Estão nessa classificação o teosofismo, o esoterismo e o kardecismo.

ADVERTÊNCIAS BÍBLICAS

Deus é uma veloz testemunha contra os feiticeiros – Ml 3.5

Trazem consolações vazias – Zc 10.2

É ilusão – At 8. 9 e 10

É forte de lucro – At 16.16

Não consultar os astros – Is 47.13

É obra da carne – Gl 5.19-21

Não entrarão no céu os feiticeiros e idólatras – Ap 21.8 e 22.15

Nenhum comentário: